Bilhetagem eletrônica vs Bilhetagem digital: como melhorar o transporte público por meio do pagamento

Há grande espaço para inovação na forma como pagamos o transporte público. Conheça a bilhetagem digital: 

A segunda metade do século passado foi marcada por inovações tecnológicas que colocaram o mundo em outro patamar de conexão. Foi o início da internet de massa, dos computadores pessoais e a chegada das redes de telecomunicação sem fio, entre tantos outros dispositivos e tecnologias. 

No transporte público também houve inovação e a bilhetagem eletrônica é um dos pontos mais importantes para o entendimento da aplicação de novas tecnologias.

Com a bilhetagem eletrônica sistemas de transporte do mundo todo puderam:

  1. adiantar recursos com a compra prévia de créditos por parte dos consumidores;
  2. reduzir custos com o manuseio de dinheiro e a emissão de bilhetes unitários e
  3. oferecer integrações tarifárias impossíveis anteriormente.

Sendo o país da América Latina mais adiantado no assunto, o Brasil viu primeiro estrear bilhetagens eletrônicas no final dos anos 1990. O Bilhete Único de São Paulo, o maior sistema do país, nasceu em 2004.

Embora haja pioneirismo, menos de duas décadas depois a bilhetagem eletrônica carece de reflexões, inovação e um planejamento centrado no novo consumidor. 

O conceito de bilhetagem eletrônica

Todo esse sistema eletrônico são os equipamentos e softwares da bilhetagem, ou seja, o processo de emissão, venda e compra de créditos/passes para acesso ao transporte público.

Ao falar de bilhetagem eletrônica busca-se compreender os cartões e os validadores, aquelas máquinas onde encostamos nosso cartão e tudo o que compõe essa tecnologia. 

No Brasil poucas empresas prestam esses serviços, sendo 6 grandes no mercado. Com escassez de opções, desde o início da bilhetagem eletrônica no país organizações do ramo apontam práticas que atrasam a renovação e a evolução tecnológica da bilhetagem brasileira e, consequentemente, do transporte público como um todo. 

Ainda em 2003, em relatório, a Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP) afirmava sobre os sistemas de bilhetagem eletrônica que:

“[…] os cartões e bilhetes somente podem ser comprados dos fornecedores, onerando bastante as compras. Outra grande restrição para os sistemas é a exigência de se pré-formatar/inicializar os cartões inteligentes somente pelo fornecedor de tecnologia, prejudicando muitas vezes a logística de distribuição – compra, armazenamento e venda”.

Isso não mudou e ainda hoje o relacionamento entre fornecedores de tecnologia e empresas de transporte é conturbado. 

A dependência do transporte público em relação as poucas empresas de tecnologia atrasou o desenvolvimento de relacionamento com o consumidor e inovação que poderiam rejuvenescer e ajustar sistemas de transporte tão carentes de mudanças. 

Mentalidade ágil no transporte de SP: o Laboratório de Mobilidade Urbana

O Laboratório de Inovação em Mobilidade da Prefeitura de São Paulo (MobiLab) tem o objetivo de aproximar o poder público do setor de tecnologia por meio da cooperação. Criado em 2013 já foi casa de startups que contribuíram com a análise de dados gerando novos serviços a partir dos desafios encontrados na mobilidade urbana. 

O projeto utiliza os dados fornecidos pelas duas agências da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes, a Companhia de Engenharia de Tráfego S/A (CET) e a SPTrans.

O relacionamento na era digital, o caso da indústria musical

Os consumidores finais nunca tiveram tantas opções para se locomover pela cidade e trocar vez ou outra, quando não totalmente, as viagens de transporte público por carros, bicicletas e agora até patinetes. Na era digital o poder foi transferido de quem oferta para quem compra. 

Pensando nisso, por igual é pouco razoável que o setor de tecnologia para o transporte público não fique mais competitivo, já que tem em mãos instrumentos fundamentais para a transformação da mobilidade urbana para melhor, com o objetivo final de movimentar toda a cadeia positivamente e entregar melhores serviços ao consumidor final. 

Uma indústria de apoio para exemplificar esse novo contexto é a da música, altamente impactada pela tecnologia no início do século e os downloads ilegais, que prejudicam enormemente as vendas. Entretanto, na segunda década do século XXI algo mudou

Com a era streaming, liderada pelo Spotify, a relação de artistas, gravadora e distribuidores nunca mais foi a mesma. Com o advento de um novo player no mercado, que em pouco tempo passou a liderar o faturamento da indústria musical, gravadoras passaram a ter seu papel questionado. 

Não são poucos os casos de lançamento por artistas de selos próprios, já que na era do streaming o contato com rádios (principal ativo das gravadoras) passou a ter menos importância do que estratégias de mídia digital para a ‘viralização’ de músicas em plataformas online. 

É o caso de Jay-Z e sua Rock Nation, gravadora por trás de nomes como Rihanna, Lana Del Rey, Shakira e Cláudia Leitte. Jay-Z junto a outros artistas também é dono do primeiro serviço de streaming controlado por artistas, o Tidal, que surgiu em 2014 com a promessa de repassar valores maiores aos cantores com trabalhos na plataforma do que Spotify, Deezer, Google Música e similares.

Tudo isso põe em risco a dominância que as gravadoras têm sobre artistas desde o início da era da música de massa. Por outro lado, beneficia artistas e consumidores que podem aproveitar música de qualidade por preços acessíveis e contribuindo com seus artistas favoritos. Toda uma geração acostumada a não pagar por música hoje paga. 

Como a relação no transporte público está mudando

Como visto, é difícil imaginar que um mercado fique preso a práticas antigas dado o contexto digital. E é exatamente isso que o setor de transportes urbanos precisa fomentar: a inovação disruptiva. 

Segundo a Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbanos (NTU) há em curso projetos que colocam novos participantes no ramo para a criação de redes de relacionamento e criação de produtos que agreguem e transformem a bilhetagem.

É o caso das credenciadoras de cartão, como Visa e Mastercard, que passam a estar no transporte público a partir da tecnologia NFC. Esse método está quase inteiramente aplicado em Jundiaí (SP) e parcialmente no Rio de Janeiro, Curitiba e Brasília. 

Cartões bancários são cada vez comuns no transporte público mundial.

Startups, empresas pequenas e ágeis na solução de problemas, têm apresentado algumas das melhores opções. Em Minas Gerais a Ecobonuz oferece descontos, promoções e interatividade com clientes. Com esses métodos consegue aumentar o engajamento na aquisição de cartões e o uso do transporte público. 

Segundo Marcus Vinicius Vasconcelos, Coordenador de Marketing da empresa “Diminuímos a redução de usuários em todas as cidades, com destaque para Itaúna, que há 10 anos perdia clientes do transporte e hoje não perde mais”.

Em São Paulo a startup OnBoard Mobility desenvolve um sistema de bilhetagem digital, uma plataforma baseada em código aberto com uma carteira virtual chamada Bilhete Digital que digitaliza o cartão de transporte tradicional permitindo embarque por meio de QR Code.  

O objetivo é que a solução entregue diversas opções de serviços para usuários e empresas, além de ser multicanal. A OnBoard também é criadora de chatbots para recarga de cartões que contariam com bilhetes digitais em plataformas como Facebook  e Facebook Messenger.

Com isso, a startup pretende oferecer a melhor experiência digital para os consumidores, independente de serem bancarizados ou não. 

A bilhetagem digital como alternativa 

Se essa renovação nas relações e a entrada de novos participantes será o suficiente para diminuir ou acabar com a queda constante de passageiros do transporte público vai depender do quanto essas soluções irão gerar de receita e diminuição de custos. 

Algumas iniciativas, como acrescentar cartões de débito e crédito podem pesar ainda mais na composição da tarifa, uma vez que transações desse tipo possuem taxas. 

Por outro lado, uma bilhetagem que torne o mercado mais competitivo, com soluções mais baratas e eficientes aprofunda a democratização do transporte público.

O sistema de bilhetagem digital da OnBoard, por exemplo, irá diminuir os custos com a emissão e administração de cartões que hoje ficam ultrapassados rapidamente. 

Segundo Luiz Renato M. Mattos, CEO da OnBoard, o sistema desenvolvido pela startup visa “facilitar o acesso ao transporte público por meio de uma experiência digital, concentrando e integrando todas as opções de mobilidade urbana na mão dos passageiros”.

Para o empresário vivemos em um momento onde o transporte público foi deixado de lado, portanto, busca-se “devolver o protagonismo e a competitividade ao transporte público fazendo dele o elo de conexão da mobilidade urbana atual”.

A partir de um cadastro os passageiros do transporte público passam a ter acesso a carteira virtual, o Bilhete Digital, que será disponibilizada em aplicativos nas versões Android e iOS e em chatbot nas plataformas Facebook e Facebook Messenger.

O projeto consiste ainda na criação e implementação de uma plataforma e o desenvolvimento de um ecossistema de utilização de créditos virtuais através do smartphone do passageiro.

Os créditos poderão ser aceitos no transporte público e também em outros modais de transporte, que incluem, mas não se limitam a bicicletas, patinetes, táxis e corridas por aplicativos.

Esse ecossistema permite que o cliente do transporte público tenha mais autonomia sobre como utilizar o seu dinheiro além de vantagens como: descontos com a integração multimodal, programa de milhagens para transporte público, e os benefícios com a diminuição do atrito e a melhoria na experiência.

Tudo isso ainda garante receitas acessórias para empresas e mais flexibilidade e opções em suas operações, contribuindo para a melhoria estrutural dos sistemas. 

É um caminho se projetando para mudar a realidade com alto potencial de agregar valor e projeção aos meios coletivos de transporte, fundamentais para uma boa qualidade de vida em cidades. 

Fale com nossos especialistas sobre inovação nos transportes! Clique aqui
Fale com nossos especialistas em inovação
Conversar via WhatsApp


Referências

Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano (NTU). Bilhetagem eletrônica, versão 4.0. https://www.ntu.org.br/novo/NoticiaCompleta.aspx?idArea=10&idSegundoNivel=107&idNoticia=1058

Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano (NTU). Recarga do Bilhete Único paulista pode ser feito pelas redes sociais. 

https://www.ntu.org.br/novo/NoticiaCompleta.aspx?idArea=10&idNoticia=1131

BATISTA, Fábio. O poder do consumidor e estratégias empresariais nos espaços digitais. 

https://administradores.com.br/artigos/o-poder-do-consumidor-e-estrategias-empresariais-nos-espacos-digitais

MOREIRA, Marcos Antonio. Transporte público busca reinvenção no relacionamento com usuários. https://www.agoraesimples.com.br/2019/02/18/transporte-publico-busca-reinvencao/

Esse texto foi produzido em parceria técnica com a OnBoard Mobility.

Marcos Antonio Moreira
Editor de redação do Agora é Simples. Analista de Marketing na OnBoard Mobility. Mobilidade é uma de minhas paixões, compartilho aqui os melhores insights que encontro sobre o assunto. Me escreva: marcos@agoraesimples.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *