O Plano Nacional de Eletromobilidade

Aumento na procura por veículos elétricos e os planos de dirigentes públicos e empresarias relacionados à eletromobilidade e sustentabilidade ambiental

ônibus elétrico

A ABVE (Associação Brasileira do Veículo Elétrico) divulgou recentemente seus dados de vendas de veículos elétricos (carros, ônibus e modais da micromobilidade) e os resultados são animadores: no mês de junho eles retomaram o ritmo do final de 2019, aumentando em 86% em relação ao mesmo mês, no ano passado.

Com nova diretoria, a associação pretende lançar as bases de um Plano Nacional de Eletromobilidade, com ações junto ao poder público e diálogos com as empresas e a sociedade. Segundo Alexandre Polesi, da ABVE, a mudança de gestão tem especial significado, pois ocorre num momento de crescimento das vendas. 

O novo presidente da ABVE é Adalberto Maluf, diretor da BYD e um dos mais respeitados ativistas da eletromobilidade e sustentabilidade ambiental do Brasil. Entre as frentes da associação, constam a participação intensa na Plataforma Nacional da Mobilidade Elétrica (PNME), formada por técnicos do Ministério da Economia, BNDES, ABDI, dirigentes públicos e dirigentes empresariais, sob coordenação do GIZ (agência de desenvolvimento econômico do governo alemão), para lançar as bases de um Plano Nacional de Eletromobilidade.

Há também a criação de uma nova área de mobilidade urbana, com propostas de integração entre todos os modais de transporte nas grandes cidades, em bases sustentáveis, grupo coordenado pelo urbanista Flamínio Fichmann. E um acordo com o Instituto de Engenharia de São Paulo para produzir, em conjunto, eventos, lives e conteúdo inédito sobre mobilidade elétrica.

No caso dos ônibus elétricos, em operação no Brasil há alguns anos, uma empresa de destaque é a Eletra, pioneira no desenvolvimento de tecnologia de tração elétrica no país. Ela lançou no final de 2019 o DualBus, o primeiro ônibus elétrico híbrido com tecnologia brasileira. O ônibus é alimentado por duas fontes de energia – um banco de baterias e um grupo motor-gerador a biocombustível.

São realizações importantes, especialmente nesse cenário pós-Covid-19, em que o mundo se organiza para melhorar a qualidade de vida nas cidades, desenvolvendo modais ativos e também sustentáveis. 

Em São Paulo, a Lei Municipal nº 16.802, de 2018, estabeleceu que os veículos de transporte público devem reduzir as emissões de dióxido de carbono (CO2) em 50% no prazo de 10 anos, e 100% em 20 anos.

Publicado originalmente em Pro Coletivo.

Powered by Rock Convert

Pro Coletivo

Artigo assinado pelo Pro Coletivo, blog parceiro de conteúdo, especializado em assuntos da multimodalidade.

Deixe uma resposta

Fale com nossos especialistas em inovação
Conversar via WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: