Protestos de motoristas e agentes de bordo preocupa quem mais depende do transporte especial em Sorocaba

A transição do consórcio responsável pelas linhas de transporte especial em Sorocaba inicia com impasses na primeira semana de agosto e preocupa quem mais depende do transporte

Transporte especial Sorocaba.
Foto: Emidio Marques.

A gestão de ônibus especial em Sorocaba está passando por transição do consórcio responsável. Com mais de 20 anos de contrato, no final de julho de 2020, o Consor (Consórcio Sorocaba) e o STU (Sorocaba Transportes Urbanos Ltda) passaram a operação do transporte especial para o Consórcio Mobility Transportes, no dia 1º de agosto de 2020.

No entanto, a primeira semana de atividade foi repleta de contestações referente aos profissionais que trabalhavam nas empresas anteriores. O Consórcio Mobility destacou que não pagaria o mesmo salário e direitos oferecidos anteriormente, o que vai de encontro com a determinação do acordo coletivo de trabalho da categoria diante da troca de empresas, ou seja, a empresa deveria continuar ofertando condições iguais ou superiores para colaboradores.

Diante da situação, cerca de 80 profissionais, entre motoristas e agentes de bordo, estariam desempregados. Com isso, as pessoas começaram a se reunir para protestos em frente à Prefeitura de Sorocaba e em frente ao prédio comercial ao lado da sede do CIESP.

Conforme o Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região, as pessoas trabalhadoras estavam reivindicando a admissão pela nova empresa, bem como o recebimento dos salários e outros direitos trabalhistas referentes ao período desde o 1º dia de atividades da Mobility. O sindicato chegou a solicitar uma reunião com a Urbes – Trânsito e Transportes e uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região foi realizada.

De acordo com pesquisa, a Prefeitura já repassou cerca de R$180 milhões para o Consórcio Mobility. Até o último dia 05, a categoria de trabalhadores e trabalhadores do transporte especial se reuniu para definir estratégias da luta por emprego, salários e direitos na troca de empresas a fim de se apresentar à empresa Consórcio Mobility Transportes para iniciar o trabalho. A redação tentou entrar em contato, mas sem resposta.

Reunião da categoria de trabalhadores e trabalhadores do transporte especial no último dia 05/08/2020. Fonte: Sindicato dos Rodoviários Sorocaba e Região.

Quem sofre com tudo isso?

O ônibus especial é um serviço de transporte porta-a-porta regulamentado pelo Decreto 23.346/2017, destinado a atender as pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, temporária ou permanente, em alto grau de dependência, impossibilitadas de utilizar o transporte coletivo urbano convencional, e é destinado preferencialmente para as pessoas socioeconomicamente vulneráveis.

De acordo com levantamento da redação, 753 pessoas dependem do transporte especial, sendo 490 cadastrados e 263 acompanhantes, além de 141 pessoas que se encontram na lista de espera para o atendimento. Logo, a indisponibilidade do serviço afeta diretamente as pessoas que dependem exclusivamente deste meio de transporte para se locomover.

Mesmo em momento de isolamento social, pessoas com deficiência e dificuldade na mobilidade dependem do sistema para consultas e tratamentos. Maria Livia, 24 anos, tem paralisia cerebral e é cadeirante. Em entrevista ao Cruzeiro do Sul, Maria estava há mais de um ano aguardando para iniciar as sessões de hidroterapia e começaria o tratamento em uma clínica de Sorocaba no dia 04 de agosto de 2020, no entanto, em meio ao impasse de empresas e colaboradores, não foi possível. 

A mãe de Maria, Flávia Alessandra Ferreira, é fundadora da instituição social “Anjos sobre Rodas”, atuante na garantia dos direitos e da inclusão dos cadeirantes, aponta que muitas das crianças atendidas pelo projeto também tinham consultas médicas agendadas e não puderam comparecer por conta da falta de condução na primeira semana de agosto.

A filha de Kelly Cristina também utiliza o sistema e a preocupação é imensa. “Minha filha é acostumada com o motorista a mais de três anos e essa nova empresa não chamou nenhum desses bons motoristas”, Kelly comenta em rede social.

Além disso, Fernando Bellinassi, 38 anos, cadeirante que também usa o transporte especial em Sorocaba reforça o impacto que a mudança na rotina têm na vida de quem utiliza o meio.

“Quando muda a empresa, é uma rotina que os usuários têm. Então como cada usuário tem uma dificuldade e eles estão ali todo dia, os motoristas e os agentes de bordo acabam conhecendo bem cada um. Quando tem uma mudança assim, é difícil para o usuário se adaptar. Por que às vezes tem uma necessidade que o novo motorista não vai saber e às vezes o usuário não sabe falar… Quando é autista é pior, por que o autista sofre muito com a mudança de rotina. E sem falar PCD [Pessoa com Deficiência], a pessoa querendo ou não vê todo dia, então acaba se apegando também.”

– Fernando Bellinassi.

Na primeira versão constava “protestos em frente à garagem do Consórcio Mobility e no Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP)”. Em edição realizada pela Redação Agora é Simples em 27/08/2020, os protestos ocorreram em frente à Prefeitura de Sorocaba e em frente ao prédio comercial ao lado da sede do CIESP.

Powered by Rock Convert

Larissa Belinazi

Estagiária na OnBoard Mobility. Estudante de engenharia apaixonada por marketing de conteúdo.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: